Wednesday, July 15, 2020

O bom dos masculinos de Paris



A ala de Alta Costura soube aproveitar melhor o novo formato oinline para apresentar suas coleções. Mas há boas ideias na turma de marcas e estilistas masculinos. Para mim, estes foram os destaques:




Louis Vutton: já citei em outro post, e confirmo que achei graça dos animes percorrendo Paris




Amiri: o californiano que venceu, realizou o sonho de “ desfilar” em Paris.


Berluti: sem muita roupa, mas um bom papo com o Brian Rochefort



Rick Owens: não apenas por ser um dos meus queridões, mas porque resolveu o vídeo como um studio no showroom, só ele e o modelo. Interessante notar o investimento em ternos. Ele mesmo fotografou


Loewe: Jonathan Anderson mostrou senso de arquitetura, usando volumes inesperados (para a Loewe), tricôs, pelo efeito 3D e a técnica do shibori (técnica japonesa de estamparia, que lembra o tie dye)


Balmain: apresentou masculino e feminino, em barco no Sena, para celebrar 75 anos da marca. Aguardemos mais novidades


Lanvin: Bruno Sialelli criou paletós longos, em cores claras, cremosas, azuis. Inspirações em personagens fantásticos e narrativas inventadas. Uma fantasia de moda, segundo Bruno.





Henrik Vibskov: o dinamarquês lançou em um parque cheio de gente, sem máscara, com som ruim e muita fala. Podia ter começado logo pela coleção, de azuis e laranjas com flores e xadrezes em preto, make com pó de carvão, muitas vestes que lembram sahariennes com faixas. Final bonito (no alto)





Isabel Marant: com dançarinos do Centre Nationale de la Danse. Muitas calças coloridas (linda, a lilás). Bolsos, suéteres (apesar de ser verão), corte de caftan. Uma coleção Escape, segundo Isabel,. Todos precisam atualmente…








Dior: líder tanto no feminino como no masculino. Vídeo em dois momentos. O primeiro, com um artista de Gana (África), que pinta com as mãos, e vestiu peças da coleção, como os paletós de flores e a famosa estampa de heras, assinada pelo Christian Dior em um vestido. O artista plástico é Amoako Boafo, dirigido pelo Chris Cunningham. A segunda parte, dirigida por Jackie Nickerson, foi mais explícita na coleção .




Lemaire: quando estava quase desistindo de ver muitas poesias e improvisos, resolvi olhar o último da semana de moda masculina parisiense. Adorei! Christophe Lemaire fez um video de um desfile seco, em fundo branco, feminino e masculino, de peças largas, soltas, que dão vontade de usar. Perfeito para as executivas, na vibe que pode ser comprada à Céline dos bons tempos. Muito preto, muitos casacos ⅞, calças largonas. 


E mais: e daí, que começa a semana de Milão, com a Miuccia Prada se despedindo da criação da Prada. Eita! Quem talvez vá para o lugar dela (espero que pensem bem nesta troca) é o belga Raf Simons. Que era muito bom quando fazia sua marca minimalista, mas deu ruim na Dior. Será capaz de enfrentar a intelectualidade da Prada? / As semanas em vídeo exigem quase tanta produção quanto o desfile tradicional. Tem que ter bom roteiro, iluminação, som, conexão bem definida para ser vista em todo tipo de tela. Por exemplo, o mineiro Victor Dzenk foi interrompido durante o desfile de seus longos em toda a cartela, dos amarelos aos azuis, vermelhos, laranjas. Até onde consegui ver, em imagem meio desfocada neste All in One LG, 14 polegadas, gostei muito dos vestidos curtos com tiras franzidinhas . Os longos também são bons, porque segundo os comentários no chat do YouTube, são bonitos e comerciais. Mas se no YouTube estava pixelando, no Instagram do celular perdiam-se os detalhes. Como achei que seria demais acompanhar em um terceiro aparelho, não sei dizer como ficou no tablet. Também ficou impossível reproduzir modelos direto do vídeo. Vamos aguardar as fotos. 


No comments: