Thursday, July 30, 2020

Brunch de pais


Brunch de pais



O hotel Emiliano propõe um bom presente para os pais: um brunch daqueles que começa às  11 e pode ir até as 16h, nos dias 08 e 09 de agosto, isto é ,no sábado e domingo. Deverá ser incrível, porque pelo menos em São Paulo, é o meu hotel favorito. Pelo menos até fechar este post o brunch seria só neste endereço paulistano.
Preço por pessoa: R$ 295 + 13% de taxa de serviço.
Reservas pelo <hostess@sp.emiliano.com.br>
Vejam o menu neste link

https://emiliano.com.br/wp-content/uploads/2020/07/emiliano.com.br-brunch-dia-dos-pais-2020.pdf

Wednesday, July 22, 2020

Veste Rio: segundo dia mais definido

Bateu uma curiosidade: como as pessoas que assistem aos lives do Veste Rio estão acomodadas? Estão concentradas, em frente a um computador, a tarde inteira? Ou com o celular ameaçando descarregar, enviar outros recados e chamadas? Só uma curiosidade, já que neste segundo dia almocei, dei uma pausa para um treino, lanchei um queijo com banana e pendurei roupa no varal. Tudo, sempre de olho nas telas de um Samsung, de um Air e de um iPhone. Desta vez, o Samsung resistiu mais do que os MACs. 


Vamos lá ao que já se desenha como futuro para a moda brasileira, pelo menos até que se resolvam os problemas de produção e de matéria-prima, devido à pandemia. A chave atual é o novo normal. Que na moda significa propor roupas atemporais, mais conforto, peças duradouras, em matérias-primas menos agressivas contra o meio ambiente e muito, mas muito trabalho artesanal. Há quem fale em roupas passando de gerações. 

Ok, altamente louvável este conjunto. Quer dizer que vamos comprar menos, usar mais as peças, desligar das tendências. E acrescentar à produção made in China o trabalho de bordados, crochês, pinturas de artesãos. Certamente teremos produções menores, já que um colete de crochê do David Lee, por exemplo, leva três dias e meio para ficar pronto, nas agulhas de uma artesã.. 

Será uma moda mais preciosa, com muita história embutida nas costuras.


Keymono: Thaysa Jafet e Mariana Barreto apostam na durabilidade e atemporalidade, na criação de memórias nas peças. São versáteis, além da Keymono, criam figurinos (um deles para o show de Sandy & Junior),desenham as estampas pintadas à mão, criaram uma plataforma de música e poesia. Na apresentação perderam tempo contextualizando a marca, mostrando campanhas antigas e fotos de celebridades que curtem a Keymono. Valia mais entrar logo na beleza das roupas com bordados, da coleção Misteries. Um pouco de mitologia grega, a imagem da cobra que emerge do rabo de um tigre bordada nas costas de um quimono. Há 10 modelos de body, bem bonitos e um final branco.

Quimono bordado da Keymono


No alto, as calças curtas, Acima, o jacquard de ikat, tudo, Lilly Sarti



Diáspora 009: depois de uma travada na transmissão, entrou o estilo de trabalho, os macacões adornados com lantejoulas, o boubou, espécie de bata midi. Um jeito afro, sofisticado, sem medo de repetir modelos que já fizeram sucesso, como a blusa com gravata/babados, sem mangas. Lia Maria trabalha com artesãs do Conecta, coletivo de Brasília. E diz que a Diáspora 009 é como se fosse a construção de um manifesto, valorizando a roupa de trabalho, do mecânico, do gari, do bombeiro. 


Lilly Sarti: interessante neste formato digital é o fato de os autores participarem de seus locais de base. Lilly falou de São Paulo, muito animada, sobre a estratégia do lançamento de três coleções cápsula, para ajudar os compradores a planejar em seus investimentos. O ikat, em jacquard, segue quase toda a campanha, desde a saia míni, o vestido longuete ao macacão. Tentadoras: a veste safari, as saias de algodão. Duas mudanças importantes, segundo Lilly: sandálias rasteiras em lugar dos saltos altos e a possibilidade de até ir a um casamento com um belo longo de algodão. Mais importante e atual, as peças higiênicas, ou seja as calças curtas. “São mais curtas, porque nesta época de muitos produtos químicos no chão das casas e de todos os lugares, temos que vestir essas peças  que chamo de higiênicas porque protegem a pele,”, definiu Lilly. Que aposta no Zoom para conversar e negociar com os clientes.


David Lee: Outro que falou de longe. David começou no Dragão Fashion, foi convidado para participar de um evento de novos talentos em Londres e agora mostrou as fotos da coleção, direto de Fortaleza. É um foco masculino, que também encanta as consumidoras adeptas de suas calças largas, de seus coletes de crochê multicolorido. Muito oversized, nenhum abotoamento externo, camisas com as costas em jeans e pinturas à mão de um lado só. Como estas pinceladas, feitas por um artista plástico, nunca saem iguais, são camisas exclusivas, únicas.


Levh: Melissa Granado e Raphael Almeida ficaram conhecidos nas mídias sociais pelo fato de criarem moda praia com Econyl, tecido feito de redes de pesca regeneradas. As fotos novas mostraram os biquínis de hotpants  cavadas e sutiãs de nó fixo nas costas, um belo modelo double face, em preto e branco. Não há estampas, somente tecidos em cores lisas - verde, azul, vermelho e o preto e branco. A diferença da Levh é a modelagem mais democrática, para atender à diversidade de corpos. 


Biquíni double face em preto e branco da Levh


Neste segundo dia de Veste Rio em versão digital ficou mais evidente que dá para melhorar no timing. Meia hora é muito tempo, dá margem a muita fala, o que cansa, principalmente quando se distancia das novidades. Pouca gente se interessa pelo currículo dos designers, menos ainda pela vontade das moderadoras de vestirem determinadas peças. Mas é louvável a atuação das repórteres e editoras que fazem a moderação das apresentações. Seria bom se elas dessem um rápido currículo de cada um, e encurtassem os textos nada-a-ver dos protagonistas. Ainda que online, queremos saber mais sobre os produtos.

As fotos deste post foram tiradas direto do live das marcas. Nem todas deram certo, esperamos ter algum resumão do evento mais tarde. Ou veremos fotos reais nos sites de lançamento dos participantes do Veste Rio. .


Tuesday, July 21, 2020

Veste Rio, em versão digital. Cansa!

Quem imaginaria que um dia assistiríamos a um desfile enquanto enchíamos a máquina de lavar louça? Assim aconteceu logo no primeiro dia do Veste Rio, que acontece de 22 de julho e promete seguir com acontecimentos até outubro: Celular de um lado, caderninho do outro, louça no meio e lá foram vistos Thomaz Azulay e Patrick Doering, mostrando as estampas de oncinha da The Paradise _  destaque para o look que parece um vestido, mas é uma saia e jaquetinha _ as diversas estampas que fazem longos e ou bermudas, sem diferenças de masculinos e femininos. Os sócios comentaram as roupas, deram valiosas explicações para o público comprador, desde as maneiras de fazer os pedidos até os prazos de entrega, dividida em duas épocas. Vejam as telas do evento:



Em seguida, Victor Dzenk acrescentou seus comentários ao vivo ao vídeo já visto na segunda-feira passada. Se na primeira vez o vídeo pareceu falho, desta vez acabou sendo uma das melhores apresentações do primeiro dia. Os vestidos longos e coloridos mereceram os elogios no chat e agradaram na plataforma do 9° Veste Rio.



Uma boa surpresa, o trabalho do Paulo Luz e da Fernanda Leme, da Min. Só a série de camisas brancas já justifica o destaque. Bons tecidos, simplicidade nas fotos e adequado à definição de “básico nada básico”, segundo Paulo., que fez questão de dizer que as calças com elástico nas costas e os vestidos maxi vestem quatro tipos de corpos diferentes. Solto para umas, larguinhos para outras, um sonho de estilo feminino. Olha o chemise aí em baixo:



No celular Samsung, os vídeos travaram muito, no iPhone foi direto. 



Marcia Kemp , da Nannacay, apresentou uma página dupla de bolsas, difícil de distinguir os modelos feitos por 305 famílias de artesãos e artesãs, na coleção ensô (palavra japonesa que significa círculo). São bolsas e sacolas de tear, rami, macramê, crochê, bordado. Por que Marcia apresentou apenas a página do lookbook? Porque as bolsas já andam rodando o mundo, estão nas vitrines do verão novaiorquino, conforme mostrou em uma foto.Ficou muita fala e pouco produto.

A esta altura, o Samsung estava com 4%, e o iPhone cismou de não printar as telas. Vale ver os sites e instagrams das marcas seguintes, para saber mais dos visuais.



Já a mineira Viviane Furrier encenou um showroom tradicional, entre os cabides nas araras com os mais de 300 modelos da coleção Horizonte. Ela chamava a atenção para os detalhes, explicando o valor das listras multicoloridas tanto nas malhas, como nos tricôs e tecidos planos, enquanto uma modelo vestia algumas peças. Faltou um pouco de iluminação e timing. Cada participante tem meia hora para dar seu recado - é muito, levando-se em conta que um desfile tradicional de 10 minutos já era considerado longo. 



A esta altura, fica evidente que o esquema cansa. Acompanhar de seis a sete apresentações por dia será um investimento em tempo e em carga dos aparelhos. Carregador a postos, vem a Ana Luiza Vasconcellos, da Emi Beachwear, fundada em 2016 como marca resort. Ótima definição, que engloba moda praia, vestidos e todo tipo de roupa que ronda praia e piscina ou anda nas cidades. A inspiração no Marrocos foi feita em tecidos naturais ou sintéticos biodegradáveis, que acabam em quatro anos, em vez dos 200 anos que dizem durar os sintéticos comuns. A viscose é de baixo impacto ambiental. Além das estampas de fauna e flora, a novidade da Emi é o bordado, com miçanguinhas. O biquíni hit é o com sutiã meia-taça, os quimonos fazem o maior sucesso mas fofa mesmo é a saia rodada com corações bordados na barra.



O final, às 17h30, foi da Blue Man, que deixou uma certa frustração. Renata Americano, genial designer de estampas é a atual diretora de criação. Pronto, pensei: vou ver desenhos incríveis, quero ver tuuudo. E o que vi? Um video curto, vago. E a Renata no showroom, explicando a coleção Somos todos latinos, cercada de biquínis pendurados nas paredes, ao longe. Pelo que Renata disse, temos estampas com padrões de macramê, palha, açaí, frutas, pássaros e pôr do sol. “Os recortes a laser na Lycra lembram o richelieu”, comentou. E falou dos babadinhos e da mudança nas estampas, algumas menores, quase Liberty, mas sempre divertidas. As sungas continuam as favoritas nas praias, e começam a ficar mais longas, quase chegando aos joelhos, como usam os surfistas da Califórnia. David Azulay inventou o biquíni de lacinho, presente na coleção. E segundo Renata Americano, as novidades estão começando a vender para os lojistas e algumas peças já estão esgotadas! Queria tanto ter visto tudo!


Monday, July 20, 2020

Veste Rio virtual em nona edição



Começou o Veste Rio, na versão digital, com salão de negócios, desfiles ou apresentações de coleções, palestras e até o tão cobiçado outlet, no final do evento. De 21 a 24 Vogue e a revista Ela recebem designers e estilistas para conversas restritas aos compradores.
O nono Veste Rio vai acontecer em ciclos, o primeiro vai até o dia 03 de agosto, quando se realizará o outlet virtual. O projeto seguirá até outubro. 

A programação de bate-papos poderá ser acompanhada pelo site <vesterio.rio>, no YouTube ou no Facebook da Vogue ou da revista Ela. Quanto aos desfiles ainda há dúvidas se serão exclusivos para compradores.

Segue a programação das apresentações que começam na terça-feira, dia 21 de julho:

Friday, July 17, 2020

Zen com estilo

Haja meditação, ioga, treinos para segurar a onda nesta temporada de confinamento. Leggings e bermudas entram em ação para garantir o conforto. 

Uma novidade é a coleção da C&A em parceria com a Desinchá, de leggings, tops, shorts e blusas em cores aquareladas ou em tie dye. Quem compra, e é cliente AMA e ADORA do C&A&VC (nem sabia que existia este grupo) ganha cupons de 15% a 25% nos chás da Desinchá. 





Looks da coleção ioga da C&A


No sábado, dia 18 de julho, o hotel Terras Altas  Resort and Convention Center faz live de ioga com a coach de pilates e ioga Adriana Femina a partir das 10 horas da manhã. No instagram do hotel @hotelterrasaltas


. Priscilla Leite, professora de Yoga e criadora do Canal Pri Leite Yoga, no Youtube e da Plataforma Girassol Yoga ajuda a aliviar enxaquecas é o estresse.


Impossível ficar estressada com um visual destes


Para quem tem preguiça de se mexer e tem coragem de pegar alguns aviões, a sugestão é se instalar no spa do hotel Four Seasons, na ilha de Anguilla, no Caribe. Mente e espírito ganham uma massagem de calma! E a pandemia passou ao largo da ilha. 


E a meditação, que promete desestressar? Pode dar certo, desde que dê para concentrar. Há Apps pagos, como o Zen e o Calm. Não testei o Zen, mas investi no Calm e até agora não curti muito. Prefiro o da própria Vivo, bem mais próximo da meditação clássica, com sininho, voz calma, opções de várias durações, a partir de 10 minutos e várias gratuitas. 


Está difícil ficar zen, mas vamos tentando, firmando no desejo de uma vacina ou alguma solução descoberta pelos abnegados cientistas. Que Deus ilumine estes e proteja os médicos e equipes que estão lá np front. 



Wednesday, July 15, 2020

O bom dos masculinos de Paris



A ala de Alta Costura soube aproveitar melhor o novo formato oinline para apresentar suas coleções. Mas há boas ideias na turma de marcas e estilistas masculinos. Para mim, estes foram os destaques:




Louis Vutton: já citei em outro post, e confirmo que achei graça dos animes percorrendo Paris




Amiri: o californiano que venceu, realizou o sonho de “ desfilar” em Paris.


Berluti: sem muita roupa, mas um bom papo com o Brian Rochefort



Rick Owens: não apenas por ser um dos meus queridões, mas porque resolveu o vídeo como um studio no showroom, só ele e o modelo. Interessante notar o investimento em ternos. Ele mesmo fotografou


Loewe: Jonathan Anderson mostrou senso de arquitetura, usando volumes inesperados (para a Loewe), tricôs, pelo efeito 3D e a técnica do shibori (técnica japonesa de estamparia, que lembra o tie dye)


Balmain: apresentou masculino e feminino, em barco no Sena, para celebrar 75 anos da marca. Aguardemos mais novidades


Lanvin: Bruno Sialelli criou paletós longos, em cores claras, cremosas, azuis. Inspirações em personagens fantásticos e narrativas inventadas. Uma fantasia de moda, segundo Bruno.





Henrik Vibskov: o dinamarquês lançou em um parque cheio de gente, sem máscara, com som ruim e muita fala. Podia ter começado logo pela coleção, de azuis e laranjas com flores e xadrezes em preto, make com pó de carvão, muitas vestes que lembram sahariennes com faixas. Final bonito (no alto)





Isabel Marant: com dançarinos do Centre Nationale de la Danse. Muitas calças coloridas (linda, a lilás). Bolsos, suéteres (apesar de ser verão), corte de caftan. Uma coleção Escape, segundo Isabel,. Todos precisam atualmente…








Dior: líder tanto no feminino como no masculino. Vídeo em dois momentos. O primeiro, com um artista de Gana (África), que pinta com as mãos, e vestiu peças da coleção, como os paletós de flores e a famosa estampa de heras, assinada pelo Christian Dior em um vestido. O artista plástico é Amoako Boafo, dirigido pelo Chris Cunningham. A segunda parte, dirigida por Jackie Nickerson, foi mais explícita na coleção .




Lemaire: quando estava quase desistindo de ver muitas poesias e improvisos, resolvi olhar o último da semana de moda masculina parisiense. Adorei! Christophe Lemaire fez um video de um desfile seco, em fundo branco, feminino e masculino, de peças largas, soltas, que dão vontade de usar. Perfeito para as executivas, na vibe que pode ser comprada à Céline dos bons tempos. Muito preto, muitos casacos ⅞, calças largonas. 


E mais: e daí, que começa a semana de Milão, com a Miuccia Prada se despedindo da criação da Prada. Eita! Quem talvez vá para o lugar dela (espero que pensem bem nesta troca) é o belga Raf Simons. Que era muito bom quando fazia sua marca minimalista, mas deu ruim na Dior. Será capaz de enfrentar a intelectualidade da Prada? / As semanas em vídeo exigem quase tanta produção quanto o desfile tradicional. Tem que ter bom roteiro, iluminação, som, conexão bem definida para ser vista em todo tipo de tela. Por exemplo, o mineiro Victor Dzenk foi interrompido durante o desfile de seus longos em toda a cartela, dos amarelos aos azuis, vermelhos, laranjas. Até onde consegui ver, em imagem meio desfocada neste All in One LG, 14 polegadas, gostei muito dos vestidos curtos com tiras franzidinhas . Os longos também são bons, porque segundo os comentários no chat do YouTube, são bonitos e comerciais. Mas se no YouTube estava pixelando, no Instagram do celular perdiam-se os detalhes. Como achei que seria demais acompanhar em um terceiro aparelho, não sei dizer como ficou no tablet. Também ficou impossível reproduzir modelos direto do vídeo. Vamos aguardar as fotos. 


Tuesday, July 07, 2020

Armadillo foi ao Norte


Cupuaçu e açaí, mais o pirarucu e a vitória régia estão representadas nas estampas da camisaria da Armadillo. O açaí vem na forma da sua palmeira, a Euterpe Olerácea. A coleção surgiu depois de travessias pelo rio Negro, das noites de carimbó e das folhas de espécies da FLONA, a Floresta Nacional dos Tapajós.

"As estampas e padrões são exclusivos, desenvolvidos pelo time de design, que utiliza colagens, pinturas e ilustrações em seus processos criativos. O cupuaçú chamou muita atenção durante nossa viagem. Daí, surgiu a inspiração para a estampa que teve seus elementos (as flores e os cupuaçús) pintados a mão separadamente e depois unidos em formato full printed, originando uma camisa e um short de elástico. O processo de desenvolver a estampa de forma exclusiva é marca registrada da Armadillo, como forma de entregar um produto ainda mais único e especial", explica Ricardo Nasseh, fundador da marca.  
A palmeira do açaí na estampa
Flores do cupuaçu em fundo preto 




Por conta da quarentena, a coleção terá peças chegando no site durante as próximas semanas, já com 20% OFF no lançamento. Parte das vendas será revertida em doações de material de limpeza para comunidades do Rio de Janeiro. 
 
Armadillo
www.armadillo.com.br

Monday, July 06, 2020

Alta Costura em video deu certo

Paris nos ajuda a passar os dias de quarentena, graças à criatividade dos integrantes da Alta Costura. No primeiro dia (hoje, segunda-feira, dia 6 de julho), aberto pela bela Naomi Campbell falando sobre agir e não apenas falar sobre o movimento Black Lives Matter, o destaque absoluto foi para Dior. Tanto pelo roteiro, sobre Mitos, como pela própria beleza das roupas. No começo, as artesãs e costureiras montam miniaturas dos vestidos, que serão levados às florestas e oferecidos a sereias, ninfas, mulheres de pedra e mulher-caramujo, o casal da árvore. Cada uma escolhe o seu, e depois aparecem lindas, já vestidas de Dior. Nem sei se fosse um desfile tradicional seria tão impactante.

Ralph and Russo, de Tamara e Michael, também começou com os lindos croquis, Tamara Ralph falou sobre meio ambiente, contou da inspiração em flores e Natureza, nas estampas borradas e surpreendeu mostrando o modo de criar, com um avatar em programa de computador. Perfeita combinação do tradicional e o moderno.


Naomi Campbell abriu a programação da Alta Costura 

Rabih Kayrouz e Georges Hobeika, ambos libaneses, optaram por apresentações mais clássicas. Rabih detalhou a produção de um vestido todo de fitas vermelhas. Hobeika escolheu um local amplo, com um arco luminoso, para exibir seus casacos de pele (não garanto que fossem naturais) e os suntuosos bordados quase sempre em prata.

Mais simples, a exibição de Azzaro Couture, com a cantora Sylvie Kreusch de longos com super fendas em dourados, vermelhos e pretos. Também Maurizio Galante optou por uma modelo descendo uma escadaria, cda lance um look. Meio escuro, sem visão de detalhes.

Giambatistta Valli usou bem a câmara lenta para exibir seus longos com grandes laços, os tules em muitas camadas e um final com possíveis sugestões de noivas, inspiradas em cisnes.


E amanhã tem Chanel! às 10 da manhã, de Paris. Isto é, cinco da manhã no Rio de Janeiro. Haja despertador!


Vestido de fitas presas uma a uma, de Rabih Kayrouz
Avatar no computador da Ralph and Russo 

A costureira da Dior montando um vestido em miniatura


. No alto, a inspiração em Paris para o vestido de Giambatistta Valli


Babados se acumularam no vestido de Xuan Lan



Sunday, July 05, 2020

Dolce Gabbana nos seus salões

Pelo jeito, zebras e onças continuam firmes na dupla Dolce&Gabbana. Mais os poás e a estampa de lugares famosos
O lado luxo, com bordados dourados, peles e sedas na Alta Costura Dolce & Gabbana

Desde 2012, quando começaram a lançar a alta costura, Dolce & Gabbana levavam suas ardorosas plateias para lugares de sonho, como Capri, o lago de Como, Veneza. 

Adivinharam? Com a pandemia, acabou o turismo de moda da dupla, e para agradar as mil pessoas adeptas do estilo da marca (que imploravam por mais um desfile, a festa, o fim de semana animado), dedicaram filmar e fotografar a coleção em seus salões em Milão. Os modelos já estavam criados antes do lockdown na Itália, e incluíram tanto os luxos femininos como a alfaiataria masculina. Quimonos dourados, caftans zebrados com plumas de avestruz, poás e estampas com imagens de locais onde aconteceram os desfiles anteriores.  Fotos divulgação





Para os compradores fiéis, foi fornecida uma senha de acesso a detalhes, preços, etc. Vale também pedir detalhes pelo WhatsApp, pelos sites de e-commerce de luxo. E segundo Domenico Dolce e Stefano Gabbana, as vendas estão direitinhas... Quem ainda duvida do poder do luxo?

A ala masculina inclui ternos de listras e calças floridas, caftans e conjuntos estampados




Para os adeptos do estilo de ateliê a dupla italiana sugere quimonos, paletós de losangos e estampas de lenços e cordas  


Thursday, July 02, 2020

Balmain no rio

Oficialmente a Alta Costura deve se realizar de 06 a 08 de julho, agora! Mas como nada em Paris é certinho e previsível, claro que podemos esperar apresentações bem diferentes do conceito tradicional.
Por exemplo: Balmain será no dia 05, domingo.
Sem desfile de passarela nem look book de fotos, a coleção assinada por Olivier Rousteing em homenagem aos designers anteriores, incluindo o próprio Pierre Balmain, Oscar de la Renta e Erik Mortensen, será vista em um cruzeiro ao longo do Sena (ainda não se sabe o trecho), com a plateia nas margens. 
Lembrei do lançamento da Cavalera no Tietê, em São Paulo. Só que foi ao contrário, o elenco estava na margem e a imprensa e convidados no barco. Resultado, o barquinho quase virou, porque fomos todos para um lado só, para ver as novidades kkkkk.
Mas Rousteing promete arrasar com a colaboração do Andrew Makadsi, que já trabalhou com Beyonce, a coreografia será do Jean-Charle Jousni e ainda mais, uma performance da Yseult, que canta Rien à prouver (nada a provar) com mais de 1.500M de visualizações no YouTube. Muito poder! Ai, que vontade de assistir...
Olivier Rousteing promete cruzeiro de Alta Costura no domingo, em Paris (foto Corey Tenold / Vogue.com)