Wednesday, May 18, 2022

Michael Kors para meninas

 Tinha que ser em iate em Ibiza, bem jet-set a campanha da coleção para meninas de 4 a 14 anos do Michael Kors.

O estilo é muito Park Avenue, um luxo cool nova-iorquino. As meninas estão em estilo praiano, com peças desde camisetas e shorts até gorros com proteção UV e a bolsinha em forma de coração.


O lançamento da coleção inclui ativações para crianças de Nova York, Dubai, Paris e Marbella, na Espanha. Esses eventos permitirão que os visitantes experimentem o tema da coleção (será que inclui o Iate?) e vejam a nova coleção de perto. 

Enquanto isto, Michael Kors já prepara a expansão para tamanhos de 3 meses até 3T. 



Sunday, May 08, 2022

Gente que agita

 

Internet ruim _ e é Vivo Fibra _, computador all in one lento por causa da atualização para o Windows 11, são os motivos para atrasar o fechamento da Almost Paper, minha revista online. E nem me falem de MAC, porque já acordei com um desktop que não ligava de jeito nenhum. 

Assim, o que na revista chamava de Por Aí, segue aqui como post no site. Não dá para ignorar notícia de gente interessante. Vejam a seleção, e dêem graças por não ter feito uma compilação de coreanos favoritos!


Esta beldade de cabelos cacheados vai representar o Brasil  no Supranational mundial, que se realizará na Polônia, em julho. É a paranaense Giovanna Reis, de 21 anos, eleita a 13ª Miss Supranational Brasil 2022 em Balneário Camboriú na sexta-feira, dia 06 (aliás, passei muitos verões naquelas praias com recantos mansinhos. Acho que acrescentar "balneário" diminui a importância de cidade)


Kim Kardashian sem dúvida é a pioneira no conceito de celebridade. Agora loura de cabelos curtos, vestiu o modelo que Norman Norell criou para Marilyn Monroe no Golden Globe, em 1962. E Kim seguiu fagueira para o Met Gala.

Esta me abalou: é a capa do álbum Crise de Identidade (Identity Crisis) do californiano Matt Simons, que já conta com mais de 50 milhões de transmissões. Ao mesmo tempo, Matt lançou In Case You Missed It, como single.

O queridão Ziraldo, 92 anos, conta histórias de vida e trajetória profissional no filme "Ziraldo - era uma vez um menino", dirigido pela filha, Fabrizia Alves Pinto, que vai estrear no canal Curta! Vamos lá no Curta!, no dia 12 de maio às 22h. Durante 30 dias o longa pode ser visto no <http://curtaon.com.br



Ah, que saudade destes encontros de amigas! Chics paulistanas prestigiaram o almoço que celebrou a entrada da NIINI, da Carol Célico no Gallerist, da Carolina Cassou (as duas, na foto). O festejo foi no Manioca, restaurante no Iguatemi, região tão chic quanto as convidadas - todas usavam looks da primeira coleção  da NIINI










Esquisitices: a cantora americana Gracie Abrams circulou em Paris no dia 05 quinta-feira. Escondeu o rosto, para fugir dos fotógrafos, mas ostentou a poderosa bolsa Icare Maxi Bag da grife Saint Laurent. Que não é para qualquer bolso…










Esperanças: Simone Jordão recebeu executivos dp grupo Informa Markets Fashion de feiras americanas para visitar ateliês de novas marcas. Vale saber que 23 marcas brasileiras que participaram dos eventos novaiorquinos venderam cerca de de US$ 1.100.000 (um milhão e cem mil dólares!)


Com a elegância de quem sobe nas pontas, a carioca Luisa Dias, 19 anos, está estrelando campanhas para a Osklen, Animale, Farm, The Paradise, Natura e Avon. Como bailarina, se apresentava na Cidade das Artes, integrando o Ballet ARRJ. Uma maquiadora mandou fotos dela para a Mix Models e das barras para os estúdios foi um pulo. Ou um grand jeté.


 


O máximo, o trabalho do João Victor, mais conhecido como @mirror_dsoul. Desde 2015, formado em Design Gráfico, mostra montagens e ilustrações na internet. "Tive o apoio de artistas e, com muito foco, cheguei a muitas marcas e grandes artistas". No início de 2021, João Victor passou a integrar a Giphy, plataforma do Facebook, para criar stickers  

 

 

 


Monday, May 02, 2022

Casa com vinílico

 Foi-se o tempo em que a casa toda branca era o auge do minimalismo cool. Seja qual for o motivo (tédio da pandemia, modismo, imitação de seriados), quem pretende mudar algo no local onde vive pensa logo em cor.

Uma das novidades é a combinação de piso vinílico e parede, com combinações harmônicas ou contrastadas. Isso não significa que pisos e paredes necessariamente precisem ser iguais em tudo, principalmente em cor. Mas alguma relação deve existir, para evitar erros no resultado.

A Tarkett, líder mundial em pisos vinílicos, selecionou três exemplos de ambientes em que a decoração combina pisos vinílicos e paredes:

#1 Subindo pelas paredes
Não só no piso, mas as réguas vinílicas podem revestir paredes. E a instalação é rápida, qualidade muito aprovada pelos arquitetos, que prolongam o piso subindo pelas paredes e até mesmo o teto.

 

Piso Vinílico Cor Tabaco – Linha Ambienta Coleção Series – Tarkett (Projeto: Ricardo Abreu / Foto: José Henrique Vieira)

# 2 Contraste entre tonalidades
Um ponto de partida é a criação de contrastes de tonalidades entre os elementos. O mobiliário fica como uma espécie de transição. Por exemplo, o piso vinílico em tom de madeira clara (ou escura, fazendo o inverso) acompanha paredes em cor mais escura, um cimento queimado. O colorido fica por conta dos detalhes do ambiente.

Piso Vinílico Cor Tabaco – Linha Ambienta Coleção Series – Tarkett (Projeto: Ricardo Abreu / Foto: José Henrique Vieira)

#3 Mix de texturas e desenhos
Outra opção é a cartela neutra, destacando uma combinação entre desenhos e texturas. Nos padrões amadeirados, o piso vinílico reproduz uma textura que lembra a sensação de pisar sobre um piso de madeira natural. Neste exemplo o revestimento vinílico de parede é da linha Artwall, alternativa da Tarkett com base têxtil e totalmente laváveis, um grande diferencial em relação ao papel de parede.

Revestimento Vinílico de Parede Cor 24109913 – Linha Artwall Coleção Chamonix – Tarkett


 

Sunday, May 01, 2022

Para dançar sem parar na festa

 

Silvio Cruz, estilista de noivas e vestidos de festa, está com uma boa novidade: a linha Bridal Shoes. São seis modelos de sapatos, desenvolvidos para garantir conforto que dure a festa, sem que a noiva precise sair do salto. 

Depois de mais de 20 anos atendendo em elegante espaço na Barra, Silvio buscou um endereço com mais espaço para as provas dos grandes vestidos.

Na coleção de sapatos, há meias-patas, pulseira no tornozelo (para aguentar muita dança), detalhes preciosos e saltos para ficar nas alturas. 

Onde: agenda marcada pelo 3042-3189

Quanto: a partir de R$ 600

> Fotos Fernanda Candido


Tuesday, April 12, 2022

Melissa com Isabela e Chica

 


Talento também se herda. A Francisca, mais conhecida como Chica, segue o caminho da mãe, Isabela Capeto. Juntas, as duas inventam arte e modas. A mais recente, criada para o Dia das Mães, é a linha de sandálias Melissa para adulto, infantil e bebê.

 “A ideia dessa coleção é fazer com que o público reflita sobre o que os conecta com suas mães, trazendo a admiração, o amor, a coragem e a inspiração como norte”, ressalta a Gerente Geral de Melissa, Raquel Scherer.

A marca registrada da Isabela, o coração,enfeita as três linhas de calçados e o phone strap; 

“Para mim foi muito gratificante trabalhar nessa collab para o Dia das Mães em parceria com a minha, que é uma grande inspiração para mim. Lembro de acompanhá-la nos desfiles, exposições, reuniões, e desde pequena sempre gostei de trabalhos manuais e a comunicação que a moda proporciona. Essa é a nossa conexão. Nos juntarmos novamente com a Melissa, marca que sempre admirei, é um presente e uma celebração à arte”, diz Chica Capeto.


Vejam os preços:

 

Melissa Heart Sandal + Capetos (adulto): R$179,90

 

Melissa Wide + Capetos (adulto e infantil): R$169,90

 

Melissa Wide Sandal + Capetos (bebê): R$149,90

 

Melissa Phone Strap + Capetos: R$34,90


Quem comprar mais de R$ 199,90 leva a Estanque Bag por R$ 39,90. Quem gastar menos e quiser muito a bolsa, super prática, compra avulsa, por R$ 129,90 nas lojas Clube Melissa ou online.

Segundo o site da Melissa, esta é a bolsa Estanque, apesar de estar identificada como Refraction Bag



Verbetinho:

A Melissa foi lançada em 1979, faz parte do grupo Grendene, que nasceu em 1971. O primeiro modelo, batizado de Aranha, foi inspirado nos sapatos dos pescadores franceses.

Já fez collab com Viktor&Rolf, Y/Project, Opening Ceremony, À la Garçonne, Fila, Comme des Garçons, Karl Lagerfeld e Vivienne Westwood.

Onde quer que se vá, encontra-se uma loja Melissa. Tem quiosque em Londres, lojas conceito em São Paulo e Nova York, 50 mil pontos de venda no Brasil e 44 mil no exterior. Além da Melissa, a Grendene tem a marca Ipanema, um sucesso no estilo chinelinho de dedo.


Monday, February 14, 2022

Ciao, bella!

Há sempre um lugarzinho na bancada, gaveta, armário, sei lá onde mais para um produtinho de beleza. O que não falta é novidade. Vejam algumas sugestões para esta semana:

Cabelos de verão ganham tons mais claros naturalmente. Se o sol anda tirando férias, a marca Aneethun (profissional) lança produtos que trazem luminosidade para os fios. São três opções: Light Contour, para as morenas, com a raiz esfumada; Bronze Hair, de aplicação aleatória, ilumina geral e o Peach Blond, que afasta os acinzentados dos cabelos louros


À esquerda, o cabelo castanho com o Light Contour e à direita, o efeito do Bronze Hair



A marca russa RubyRose aposta na versatilidade: lançou o Cheek to Cheek, que atua como blush, batom ou sombra. São cinco cores: Caramel Candy, Strawberry Pie, Pumpkin Cake, Sweet Peach e Bubblegum. Parecem nomes de um joguinho dos anos 1980, da série de bonecas Moranguinho! No e-commerce @rubyrosebrasil, cada um por R$ 23,90

A Sephora também anuncia lançamentos em lojas e online. Gostei muito do corretivo, de aplicação bem definida:
O corretivo Good Apple, da KVD Beauty, tem aplicador que imita a ponta do dedo, permite uma aplicação suave e definida. São 32 tons! Impossível não achar o que combina com sua pele; Custa R$ 195
A Benefit enfim nos propõe o Lip Balm California Kissin, hidratante com cor, graças à alta pigmentação. Não aguento mais ter que optar por um long stay que resseca os lábios, um hidratante sem cor ou um comum, que tem que passar a toda hora. Este California Kissin´ promete hidratar e colorir, Vamos testar. Custa R$ 135, chega ás lojas no dia 16/02


Este não é de maquiar, mas resolve o suor do verão. É o desodorante da Biossance, de magnésio com esqualano, sem toxinas, álcool, metais e muita essência de cítricos. Age por 24 horas e é à prova de manchas. Custa R$ 139,chega às lojas no dia 18/02



A parceria da marca Quem disse Berenice com a Beats, bebida da Skol mista com cerveja, só podia dar em Carnaval. Seja em casa ou na rua (nada de aglomerações, vai no bloco do Eu Sozinho rsrsrs) sairam produtos que fazem rostos coloridos e divertidos. Tem o Blush Cremoso Multifuncional, que vale como sombra e baton (R$ 45,90), o Batom Líquido Iluminado, que não borra nem escorre |(ideal para os beijinhos), (R$ 35,90), o Delineador Peel off, que sai em pedacinhos, efeito holográfico, seca rápido, não borra - olha ele no traço verde no rosto à direita) (R$ 39,90). Para arrematar, a Bruma Facial Fixadora Refrescante, que além de fixar o make, dá um efeito lifting. Queremos uma dúzia! (R$ 49,90)









 

Monday, January 24, 2022

Thierry Mugler, ícone anos 1980

 Os anos 1980 consolidaram as semanas de moda de Paris. Nem espaço próprio havia, em 1981 eram montadas tendas em um buraco da obra do Forum des Halles, alguns estilistas (ainda não eram chamados de designers) já se apresentavam ou em seus próprios ateliês ou em salões de hotéis, teatros desativados, entre outras locações que demandavam deslocamentos rápidos para não perder nenhum. Em uma destas temporadas descobri que a pior opção era o taxi, graças aos engarrafamentos parisienses. Dava um medinho sair de um desfile às 11 da noite, pegar o último metrô em estações desertas. 

Depois dos buracos do Forum foi a vez das obras das pirâmides do Louvre. No grande canteiro de obras eram montadas as tendas. Para evitar a disputa pelos convites, Kenzo fazia um minidesfile nas suas salas de showroom, para uma miniplateia. Porque a disputa era tal, que em uma das vezes em que recebi o convite, ainda na tenda do Louvre, não consegui entrar. Era uma multidão, maioria de mais de 1,80m, monte de alemães corpulentos. Meu humilde 1,64m ficou imprensado entre ternos e sobretudos (claro, um frio de rachar) e desisti! Nesta carreira de semanas de moda só desisti outra vez, na entrada de um desfile da Forum, em São Paulo. Apesar de ser das primeiras da fila, com o atraso provocado por uma gravação de novela na sala, fui sendo empurrada e esmagada. Sei lá como, consegui sair. No hotel, a conta do prejuízo: celular roubado.

Outro que fugia das multidões era Azzedine Alaïa. Nunca consegui ver uma apresentação dele, porque esperava acabar a semana oficial para mostrar seu trabalho também em showroom fechado para poucos convidados. A esta altura, eu já havia voado de volta para o Brasil. Sabem como sabia o que ele lançava? Conversando e vendo Betty Lago, que era uma das tops favoritas do seu elenco. Como ficava linda com os vestidos de malha com elastano, em tom nude!

Enfim, Thierry

Tinha que dar esta visão geral para falar do Thierry Mugler. Por ele, topava ser imprensada entre sobretudos, ser roubada do celular, me esgueirar por um buraco na tenda (não tive que fazer por ele, sempre tinha o convite). Da agenda oficial, Thierry e Claude Montana eram os melhores motivos para enfrentar as 11 horas de voo, as chuvaradas, a lama em volta das tendas, a fria recepção da assessora, Denise Dubois (atualmente, quando nos encontramos por acaso, ela até cumprimenta sorrindo!)

Ex-bailarino, autor de figurinos de ballet (até o fim da vida), Thierry era o glamour da semana. Alfaiataria perfeita, formas realçando o corpo esguio das tops que desfilavam, sempre com um ar fantasioso, um toque de figurino, looks coerentes, desde os cabelos ondulados até os saltos altos. E para adivinhar os materiais? Nem sempre dava para sacar se era borracha, látex, seda, couro. Arremates de plumas, penas, spikes, tinha que correr para descrever o máximo. Os ombros eram desenhados, mas sem o exagero de Claude Montana, era uma moda mais feminina. Aliás, total feminina! Ele chegou a vestir Greta Garbo, uma das musas inspiradoras! A plateia brincava de adivinhar quem era a referência que passava. Tinha Jane Russel, Marilyn Monroe, Rita Hayworth. 


Trabalhou este estilo antes da compra de grandes marcas pelos grupos LVMH e Printemps/Redoute nos anos 1990. Seu patrocínio era da Clarins, marca de beleza, que desistiu de bancar a linha de moda e investiu na perfumaria. Aí é que Thierry estourou para ganhar sua fortuna. O perfume Angel foi um sucesso (até hoje), com algumas subversões (outras versões). 

Quando comentei sobre um lançamento da linha de perfumes, procurei fotos do autor. Quando cobria seus desfiles, tinha fotos lindas da Marina Sprogis, ainda impressas. Perdi tudo em uma infiltração de teto, seguida de um ataque da gangue dos cupins. 

Então, fui ao Google, à Wikimidia, por aí. Fiquei pasma: era outra pessoa! Parecia um boxeador, malhadão, nada a ver com a figura esguia e o rosto lindo dos anos 1980. Nem publiquei a tal foto de boxeador, achando que era um 

homônimo. Pois era o próprio, que se jogou nas academias e nas plásticas! Mas parecia mais feliz, mais alegre, do que nos tempos de gato. 




Antes e depois das plásticas e academias



Foi um grande criador, um artista, um pioneiro no uso de materiais novos ou reciclados. Um privilégio ter visto.

E mais / naquela década, quando se reforçava a lenda de que a Alta Costura ia acabar e as marcas iam sucumbir, aconteciam coisas estranhas. Vi muitas colegas, inclusive francesas, passando adiante o convite do último desfile da semana, na quarta-feira. Era Saint-Lauirent! Considerado demodê, porque não seguia a onda dos ombros enormes, dos tailleurs geométricos, colados no corpo. Até hoje não me conformo, eram coleções maravilhosas / Outro desprezado era Dior. Na época, assinado por Marc Bohan, que, coitado, tinha que se adaptar às inúmeras franquias internacionais e fazia desfiles de mais de uma hora / pior: Chanel, antes de Karl Lagerfeld. Também para atender às franquias uma das coleções era dirigida para as milionárias em férias. Dividiam em blocos: roupas para jogar tênis, looks para golfistas, para natação (já nem lembro mais as categorias). Nem as compradoras japonesas aguentavam, dormiam direto / aliás, pensem na dificuldade de fuso das asiáticas. As compradoras dos grandes magazins de Hong Kong ou Toquio podiam chegar antes do começo da semana, para se adaptar ao horário. Mas as jornalistas, sem poder para bancar um hotel por muito tempo, sofriam com o fuso quase oposto. Quem ficava fora da fila A dava sorte, podia dormir à vontade.