Monday, August 10, 2020

Pré-venda da Cravo e Canela

 O que gosto nesta marca é a versatilidade. Suas coleções têm de tudo, desde coturnos metalizados a rasteirinhas sem muitos detalhes., perfeitas para um verãozão. Sem falar nas sandálias de plataforma, que parece que nunca mais sairão de moda. Há quem alegue que é porque as brasileiras gostam de se sentir mais altas.

Agora é uma boa época para garantir seu sapatinho novo: a Cravo e Canela está fazendo uma pré-venda no site, até dia 18 de agosto. As entregas começam em 18 de setembro, e quem mora no sul ou sudeste do país e comprar acima de R$ 200 não vai pagar o frete.

E tem mais uma boa: você compra seu modelito, monta um look bacana e manda para o Instagram da CravoeCanela, com a hashtag #todecravoecanela. E fica de olho nos stories!

Olha algumas novidades desta pré-venda no <eshop@cravoecanela.shoes>

Coturno de napa branca, com fivelões / R$ 279,99
coturno clássico, atemporal. Vale inverno ou verão!





Sandália de plataforma meia-pata cor uísque / R$ 219,99



Rasteirinhas com cara de verão 40 graus, lisa ou listrada 
A branca, por R$ 129,99 e a listrada, R$ 99,99

Friday, August 07, 2020

Evento em Hong Kong chama brasileiros

 


Vejam que oportunidade maravilhosa de participar de um grande evento internacional: o Centrestage, semana de moda de Hong Kong, promovido pelo HKTDC (Hong Kong Trade Development Council) abre inscrições para marcas brasileiras! Será todo online, como todos os eventos deste ano.

O que significa que as empresas selecionadas terão um perfil no site oficial, incluindo 10 fotos de produtos por um período de um ano, de o3 de setembro de 2020 a 03 de setembro de 2021. Um ano em cartaz internacional! 

Como as marcas que participaram dos eventos brasileiros já têm material pronto, vale se inscrever no Centrestage através do  gabriel.j.demare@hktdc.org

Mas tem prazo: até dia 20 de agosto! 

O site do evento:  https://centrestage.com.hk/

Vejam o processo de inscrição: 

Os participantes interessados devem preencher em inglês a ficha de inscrição “application form” e os seguintes materiais:

1.    1 foto da marca em miniature para ser usada como thumbnail

(400 x 400 pixel; tamanho: máx 200K)

2.    10 fotos de produtos que serão expostos no perfil da sua marca

(Horizontal: 1200w X 800h pixel; Vertical: 800w X 1200h pixel tamanho: máx 800K)

3.    LOGO (300 dpi ou maior em JPEG; Adobe Photoshop ou TIFF)

4.    Link de mídias sociais (Instagram/ Facebook/ Site/ YouTube)

5.    Online shop (caso tenha)

6.    Um resumo sobre a sua marca em inglês (máximo de 100 palavras)

 



 


 


2 anexos
 
 

Monday, August 03, 2020

Dia dos Pais: Natura, Thamy e outras sugestões

Thammy é o pai da temporada. Não sei se este é o filhinho dele, mas a foto é linda


No próximo domingo já é Dia dos Pais, vamos sugerindo presentes que ainda dão tempo de encomendar via internet e chegar até o dia (esperamos, com a demora nos transportes, ainda que os caminhoneiros não parem de rodar pra lá e pra cá)



1. O pai metido a chef ficará satisfeito com o kit de facas da Tramontina, Vai garantir o churrasco! Preço: R$ 39,99
Onde: Americanas.com
Talvez tenha a possibilidade de pegar na loja mais próxima no mesmo dia da compra



2. Para dar o toque geladinho nas bebidas (pai, beba com moderação), um belo balde de gelo de acrílico Clear. Preço: R$ 161
Onde: www.bluegardenia.com.br



3. E o kit de miniaturas de perfumes e sabonetes da Natura, para pais antenados. Antenados por que? Para se integrar na campanha da Natura, que convocou o Thammy Gretchen para a campanha deste ano. Qual é, gente, esta de implicar, protestar, cancelar o cara? Ele é pai! Olha que foto perfeita: bonito, simpático, filho da Gretchen, tudo certo. Viva a Natura! 
www.natura.com.br




Saturday, August 01, 2020

Em torno de sapatos


Sapatos são paixões femininas. Cada uma tem seu modelo dos sonhos. O meu, por exemplo, é deste jeito, com saltinho 4, bico meio fino. Agora chamam de modelo Audrey Hepburn, já foi salto gatinho, Sabrina. As sortudas de pés de gueixa (tamanhos 34 ou 35) corram no site do Heckel Verri, um dos autores dos sapatos mais lindos da cidade. Na temporada de saldos, esta belezinha está por R$ 191,20.

Confesso que tenho invejinha dos figurinos da Renata Lo Prete, principalmente dos sapatos, neste saltinho favorito. Aqui, no Jornal da Noite, ela troca notícias com o Jorge Pontual, com quem tive o prazer de conviver no JB.

Os novos chinelos da Cartago, marca da Grendene, estão com campanha publicitária produzida a distância, pelo Facetime, assinada pela agência gaúcha Batuca. Imagens do fotógrafo Jorge Bispo, que documentou o cozinheiro Marcelo Schambek, o fotógrafo Ike Levy e Daniel Barra

E as Havaianas, que sugerem estas pochetes para acompanhar os chinelos? Adorei as cores e as várias divisões. Atenção: são pochetes, não são capangas! Custam R$ 169,99, presentinho para os pais que curtem bike, caminhadas, querem ter documentos à mão quando viajam.

Thursday, July 30, 2020

Brunch de pais


Brunch de pais



O hotel Emiliano propõe um bom presente para os pais: um brunch daqueles que começa às  11 e pode ir até as 16h, nos dias 08 e 09 de agosto, isto é ,no sábado e domingo. Deverá ser incrível, porque pelo menos em São Paulo, é o meu hotel favorito. Pelo menos até fechar este post o brunch seria só neste endereço paulistano.
Preço por pessoa: R$ 295 + 13% de taxa de serviço.
Reservas pelo <hostess@sp.emiliano.com.br>
Vejam o menu neste link

https://emiliano.com.br/wp-content/uploads/2020/07/emiliano.com.br-brunch-dia-dos-pais-2020.pdf

Wednesday, July 22, 2020

Veste Rio: segundo dia mais definido

Bateu uma curiosidade: como as pessoas que assistem aos lives do Veste Rio estão acomodadas? Estão concentradas, em frente a um computador, a tarde inteira? Ou com o celular ameaçando descarregar, enviar outros recados e chamadas? Só uma curiosidade, já que neste segundo dia almocei, dei uma pausa para um treino, lanchei um queijo com banana e pendurei roupa no varal. Tudo, sempre de olho nas telas de um Samsung, de um Air e de um iPhone. Desta vez, o Samsung resistiu mais do que os MACs. 


Vamos lá ao que já se desenha como futuro para a moda brasileira, pelo menos até que se resolvam os problemas de produção e de matéria-prima, devido à pandemia. A chave atual é o novo normal. Que na moda significa propor roupas atemporais, mais conforto, peças duradouras, em matérias-primas menos agressivas contra o meio ambiente e muito, mas muito trabalho artesanal. Há quem fale em roupas passando de gerações. 

Ok, altamente louvável este conjunto. Quer dizer que vamos comprar menos, usar mais as peças, desligar das tendências. E acrescentar à produção made in China o trabalho de bordados, crochês, pinturas de artesãos. Certamente teremos produções menores, já que um colete de crochê do David Lee, por exemplo, leva três dias e meio para ficar pronto, nas agulhas de uma artesã.. 

Será uma moda mais preciosa, com muita história embutida nas costuras.


Keymono: Thaysa Jafet e Mariana Barreto apostam na durabilidade e atemporalidade, na criação de memórias nas peças. São versáteis, além da Keymono, criam figurinos (um deles para o show de Sandy & Junior),desenham as estampas pintadas à mão, criaram uma plataforma de música e poesia. Na apresentação perderam tempo contextualizando a marca, mostrando campanhas antigas e fotos de celebridades que curtem a Keymono. Valia mais entrar logo na beleza das roupas com bordados, da coleção Misteries. Um pouco de mitologia grega, a imagem da cobra que emerge do rabo de um tigre bordada nas costas de um quimono. Há 10 modelos de body, bem bonitos e um final branco.

Quimono bordado da Keymono


No alto, as calças curtas, Acima, o jacquard de ikat, tudo, Lilly Sarti



Diáspora 009: depois de uma travada na transmissão, entrou o estilo de trabalho, os macacões adornados com lantejoulas, o boubou, espécie de bata midi. Um jeito afro, sofisticado, sem medo de repetir modelos que já fizeram sucesso, como a blusa com gravata/babados, sem mangas. Lia Maria trabalha com artesãs do Conecta, coletivo de Brasília. E diz que a Diáspora 009 é como se fosse a construção de um manifesto, valorizando a roupa de trabalho, do mecânico, do gari, do bombeiro. 


Lilly Sarti: interessante neste formato digital é o fato de os autores participarem de seus locais de base. Lilly falou de São Paulo, muito animada, sobre a estratégia do lançamento de três coleções cápsula, para ajudar os compradores a planejar em seus investimentos. O ikat, em jacquard, segue quase toda a campanha, desde a saia míni, o vestido longuete ao macacão. Tentadoras: a veste safari, as saias de algodão. Duas mudanças importantes, segundo Lilly: sandálias rasteiras em lugar dos saltos altos e a possibilidade de até ir a um casamento com um belo longo de algodão. Mais importante e atual, as peças higiênicas, ou seja as calças curtas. “São mais curtas, porque nesta época de muitos produtos químicos no chão das casas e de todos os lugares, temos que vestir essas peças  que chamo de higiênicas porque protegem a pele,”, definiu Lilly. Que aposta no Zoom para conversar e negociar com os clientes.


David Lee: Outro que falou de longe. David começou no Dragão Fashion, foi convidado para participar de um evento de novos talentos em Londres e agora mostrou as fotos da coleção, direto de Fortaleza. É um foco masculino, que também encanta as consumidoras adeptas de suas calças largas, de seus coletes de crochê multicolorido. Muito oversized, nenhum abotoamento externo, camisas com as costas em jeans e pinturas à mão de um lado só. Como estas pinceladas, feitas por um artista plástico, nunca saem iguais, são camisas exclusivas, únicas.


Levh: Melissa Granado e Raphael Almeida ficaram conhecidos nas mídias sociais pelo fato de criarem moda praia com Econyl, tecido feito de redes de pesca regeneradas. As fotos novas mostraram os biquínis de hotpants  cavadas e sutiãs de nó fixo nas costas, um belo modelo double face, em preto e branco. Não há estampas, somente tecidos em cores lisas - verde, azul, vermelho e o preto e branco. A diferença da Levh é a modelagem mais democrática, para atender à diversidade de corpos. 


Biquíni double face em preto e branco da Levh


Neste segundo dia de Veste Rio em versão digital ficou mais evidente que dá para melhorar no timing. Meia hora é muito tempo, dá margem a muita fala, o que cansa, principalmente quando se distancia das novidades. Pouca gente se interessa pelo currículo dos designers, menos ainda pela vontade das moderadoras de vestirem determinadas peças. Mas é louvável a atuação das repórteres e editoras que fazem a moderação das apresentações. Seria bom se elas dessem um rápido currículo de cada um, e encurtassem os textos nada-a-ver dos protagonistas. Ainda que online, queremos saber mais sobre os produtos.

As fotos deste post foram tiradas direto do live das marcas. Nem todas deram certo, esperamos ter algum resumão do evento mais tarde. Ou veremos fotos reais nos sites de lançamento dos participantes do Veste Rio. .


Tuesday, July 21, 2020

Veste Rio, em versão digital. Cansa!

Quem imaginaria que um dia assistiríamos a um desfile enquanto enchíamos a máquina de lavar louça? Assim aconteceu logo no primeiro dia do Veste Rio, que acontece de 22 de julho e promete seguir com acontecimentos até outubro: Celular de um lado, caderninho do outro, louça no meio e lá foram vistos Thomaz Azulay e Patrick Doering, mostrando as estampas de oncinha da The Paradise _  destaque para o look que parece um vestido, mas é uma saia e jaquetinha _ as diversas estampas que fazem longos e ou bermudas, sem diferenças de masculinos e femininos. Os sócios comentaram as roupas, deram valiosas explicações para o público comprador, desde as maneiras de fazer os pedidos até os prazos de entrega, dividida em duas épocas. Vejam as telas do evento:



Em seguida, Victor Dzenk acrescentou seus comentários ao vivo ao vídeo já visto na segunda-feira passada. Se na primeira vez o vídeo pareceu falho, desta vez acabou sendo uma das melhores apresentações do primeiro dia. Os vestidos longos e coloridos mereceram os elogios no chat e agradaram na plataforma do 9° Veste Rio.



Uma boa surpresa, o trabalho do Paulo Luz e da Fernanda Leme, da Min. Só a série de camisas brancas já justifica o destaque. Bons tecidos, simplicidade nas fotos e adequado à definição de “básico nada básico”, segundo Paulo., que fez questão de dizer que as calças com elástico nas costas e os vestidos maxi vestem quatro tipos de corpos diferentes. Solto para umas, larguinhos para outras, um sonho de estilo feminino. Olha o chemise aí em baixo:



No celular Samsung, os vídeos travaram muito, no iPhone foi direto. 



Marcia Kemp , da Nannacay, apresentou uma página dupla de bolsas, difícil de distinguir os modelos feitos por 305 famílias de artesãos e artesãs, na coleção ensô (palavra japonesa que significa círculo). São bolsas e sacolas de tear, rami, macramê, crochê, bordado. Por que Marcia apresentou apenas a página do lookbook? Porque as bolsas já andam rodando o mundo, estão nas vitrines do verão novaiorquino, conforme mostrou em uma foto.Ficou muita fala e pouco produto.

A esta altura, o Samsung estava com 4%, e o iPhone cismou de não printar as telas. Vale ver os sites e instagrams das marcas seguintes, para saber mais dos visuais.



Já a mineira Viviane Furrier encenou um showroom tradicional, entre os cabides nas araras com os mais de 300 modelos da coleção Horizonte. Ela chamava a atenção para os detalhes, explicando o valor das listras multicoloridas tanto nas malhas, como nos tricôs e tecidos planos, enquanto uma modelo vestia algumas peças. Faltou um pouco de iluminação e timing. Cada participante tem meia hora para dar seu recado - é muito, levando-se em conta que um desfile tradicional de 10 minutos já era considerado longo. 



A esta altura, fica evidente que o esquema cansa. Acompanhar de seis a sete apresentações por dia será um investimento em tempo e em carga dos aparelhos. Carregador a postos, vem a Ana Luiza Vasconcellos, da Emi Beachwear, fundada em 2016 como marca resort. Ótima definição, que engloba moda praia, vestidos e todo tipo de roupa que ronda praia e piscina ou anda nas cidades. A inspiração no Marrocos foi feita em tecidos naturais ou sintéticos biodegradáveis, que acabam em quatro anos, em vez dos 200 anos que dizem durar os sintéticos comuns. A viscose é de baixo impacto ambiental. Além das estampas de fauna e flora, a novidade da Emi é o bordado, com miçanguinhas. O biquíni hit é o com sutiã meia-taça, os quimonos fazem o maior sucesso mas fofa mesmo é a saia rodada com corações bordados na barra.



O final, às 17h30, foi da Blue Man, que deixou uma certa frustração. Renata Americano, genial designer de estampas é a atual diretora de criação. Pronto, pensei: vou ver desenhos incríveis, quero ver tuuudo. E o que vi? Um video curto, vago. E a Renata no showroom, explicando a coleção Somos todos latinos, cercada de biquínis pendurados nas paredes, ao longe. Pelo que Renata disse, temos estampas com padrões de macramê, palha, açaí, frutas, pássaros e pôr do sol. “Os recortes a laser na Lycra lembram o richelieu”, comentou. E falou dos babadinhos e da mudança nas estampas, algumas menores, quase Liberty, mas sempre divertidas. As sungas continuam as favoritas nas praias, e começam a ficar mais longas, quase chegando aos joelhos, como usam os surfistas da Califórnia. David Azulay inventou o biquíni de lacinho, presente na coleção. E segundo Renata Americano, as novidades estão começando a vender para os lojistas e algumas peças já estão esgotadas! Queria tanto ter visto tudo!